Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Última Paragem

O blog do bicho do mato

O blog do bicho do mato

Última Paragem

21
Jun24

Um post elitista

Maria J. Lourinho

lsbf-singapore-acca-papers-2-years1.jpg

Pode ser que seja elitista, mas é o que penso há muito tempo e não tenho mudado de opinião como, por vezes, acontece.

Há muitas pessoas que consideram que não vale a pena entrar em alguns cursos universitários, se o mercado está saturado desses profissionais e os jovens ficarão frustados com a falta de oportunidade para aplicarem o que aprenderam.

Defendo veementemente o contrário. Para além de não desistir do sonho, a formação, qualquer formação universitária, é um bem que se ganha para toda a vida. Ela abre as portas, pelo menos, para encontrarmos as ferramentos que nos permitirão ir mais longe no saber, no fazer, no entendimento das coisas.

Vem esta ladaínha a propósito dos quadros maiores do PCP.

Leio que surgiu uma carta assinada por 30 ex-dirigentes da CGTP, afectos, na sua maioria, ao PS e Bloco, “alertando para a "ausência de respostas" da central sindical aos novos problemas e desafios dos trabalhadores e acusando-a de "deriva sectária" e de "falta de transparência". (Diário de Notícias).

O Secretário Geral da Organização, Tiago Oliveira, membro do PC, responde que melhor democracia interna é impossível.

Tiago Oliveira tem 43 anos e só fez o nono ano de escolaridade; abandonou a escola, portanto, ainda adolescente e num tempo em que já toda a gente podia estudar. É operário.

Paulo Raimundo, Secretário-Geral do PCP, tem 47 anos, foi operário mas há 20 anos que é funcionário do seu partido. Estudou até ao nono ano também.

A formação académica nota-se no discurso e na eficácia da mensagem que transporta, e nestes dois homens, responsáveis máximos de duas importantes organizações da esquerda portuguesa, nota-se muito.

Não só se nota como não toca as camadas da população mais jovens e educadas, por muitas dificuldades que estas vivam. Mais facilmente os jovens serão levados por Cotrim de Figueiredo que por Paulo Raimundo.

Defender “os trabalhadores e o povo” é bonito, mas é preciso saber fazê-lo em consonância com os tempos de acelerada transformação que vivemos.

Ora, o PCP parou no tempo, e continua a achar que “a classe operária” seja lá isso o que for em 2024, deve ser a classe dirigente “dos trabalhadores e do povo” numa democracia burguesa.

O tempo o tratará como trata tudo o resto que não seja capaz de se renovar.

Aliás, já começou.

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub