Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Última Paragem

O blog do bicho do mato

O blog do bicho do mato

Última Paragem

28
Dez20

A Louca da Casa, Rosa Montero

Maria J. Lourinho

Rosa.jpg

Uma surpresa muito agradável dado que não sou devota da literatura espanhola

A louca da casa é romance, ensaio, ficção, autobiografia, enfim, um pouco de muitos géneros.

Nele, Rosa fala-nos de escritores, de livros, do processo criativo, do real e do imaginado, do que existe e do que presumimos, do envelhecimento e do papel da imaginação (a louca da casa) em tudo isso.

Uma escrita muito agradável e fluída que, porém,  nunca é levezinha.

27
Dez20

Leituras III

Maria J. Lourinho

"Fiquei ali um momento a admirar a minha obra, pois dá muito prazer ver a roupa lavada e batida pelo vento, como flâmulas numa corrida ou as velas de um navio. E o som que produz assemelha-se ao das mãos dos anjos celestes a aplaudir, embora ouvidas de muito longe.

E dizem que a limpeza está próxima da santidade e, às vezes, quando via os aglomerados de nuvens muito brancas no céu depois de chover, pensava que era como se fossem os próprios anjos a pendurar a sua roupa lavada, pois alguém tinha de o fazer, já que tudo no paraíso tem de estar limpo e imaculado. Mas isso eram fantasias de criança, pois as crianças gostam de contar a si mesmas histórias acerca de coisas que não são visíveis. E na altura eu pouco mais era do que uma criança, embora me considerasse uma adulta por já ganhar a vida."

Margaret Atwood, In "Alias Grace"

 

23
Dez20

Leituras II

Maria J. Lourinho

“O QI médio da população mundial, que sempre aumentou desde o pós-guerra até o final dos anos 90, diminuiu nos últimos vinte anos ...

É a inversão do efeito Flynn.

Parece que o nível de inteligência medido pelos testes diminui nos países mais desenvolvidos.

Pode haver muitas causas para esse fenómeno.

Um deles pode ser o empobrecimento da linguagem.

Na verdade, vários estudos mostram a diminuição do conhecimento lexical e o empobrecimento da linguagem: não é apenas a redução do vocabulário utilizado, mas também as subtilezas linguísticas que permitem elaborar e formular pensamentos complexos.

O desaparecimento gradual dos tempos (conjuntico, imperfeito, formas compostas do futuro, particípio passado) dá origem a um pensamento quase sempre no presente, limitado ao momento: incapaz de projecções no tempo.

A simplificação dos tutoriais, o desaparecimento das letras maiúsculas e da pontuação são exemplos de "golpes mortais" na precisão e variedade de expressão.

Apenas um exemplo: eliminar a palavra "signorina" (agora obsoleta) não significa apenas abrir mão da estética de uma palavra, mas também promover involuntariamente a ideia de que entre uma menina e uma mulher não existem fases intermédias.

Menos palavras e menos verbos conjugados significam menos capacidade de expressar emoções e menos capacidade de processar um pensamento.

Estudos têm mostrado que parte da violência nas esferas pública e privada decorre directamente da incapacidade de descrever as emoções em palavras.

Sem palavras para construir um argumento, o pensamento complexo torna-se impossível.

Quanto mais pobre a linguagem, mais o pensamento desaparece.

A história está cheia de exemplos e muitos livros (Georges Orwell - "1984"; Ray Bradbury - "Fahrenheit 451") contam como todos os regimes totalitários sempre atrapalharam o pensamento, reduzindo o número e o significado das palavras.

Se não houver pensamentos, não há pensamentos críticos. E não há pensamento sem palavras.

Como construir um pensamento hipotético-dedutivo sem o condicional?

Como pensar o futuro sem uma conjugação com o futuro?

Como é possível captar uma temporalidade, uma sucessão de elementos no tempo, passado ou futuro, e sua duração relativa, sem uma linguagem que distinga entre o que poderia ter sido, o que foi, o que é, o que poderia ser, e o que será depois do que pode ter acontecido, o que realmente aconteceu?

Caros pais e professores: Façamos com que nossos filhos, nossos alunos falem, leiam e escrevam. Ensinar e praticar o idioma nas suas mais diversas formas. Mesmo que pareça complicado. Principalmente se for complicado.

Porque nesse esforço existe liberdade.

Aqueles que afirmam a necessidade de simplificar a grafia, descartar a linguagem de seus "defeitos", abolir géneros, tempos, nuances, tudo que cria complexidade, são os verdadeiros arquitetos do empobrecimento da mente humana.

Não há liberdade sem necessidade.

Não há beleza sem o pensamento da beleza. "

- Christophe Clavé

21
Dez20

Milkman, Anna Burns

Maria J. Lourinho

Anna Burns.png

 

Anna Burns escreve um livro surpreendente. É um romance, sim, mas também um documento sobre Belfast dos anos 1970 do século passado.

Escrito num estilo tão coloquial como pessoal e íntimo, leva-nos a um tempo e um lugar de confronto físico e psicológico. Há bombas, envenenamentos, julgamentos clandestinos, paramilitares, militares, governo e anti-governo, medos, rumores, convenções e um extraordinário e obsceno domínio dos homens sobre a vida das mulheres. E coragem.

Nenhum personagem tem nome, mas todos são fáceis de identifica

São 380 páginas densas mas que nos agarram facilmente e nunca desiludem.

Uma leitura gratificante com, imagine-se, um final feliz.

20
Dez20

Short story (O comissário)

Maria J. Lourinho

O senhor comissário da polícia era alto, forte, e dono dum exuberante bigode preto.

Homem de meia-idade, usava a farda azul marinho com aprumo, apesar de os nossos olhos serem atraídos, e se deterem, antes de mais, no lustroso cassetete em cujo manejo, dizia-se, era exímio. Era o tempo da ditadura, e o homem, no seu conjunto, tinha forma de respeitinho; ou de medo.

O senhor comissário era casado com Celina. Esta, por sua vez, era maravilhosamente pequena, não iria além do metro e meio. Loira, de pele lisa e rosada, cifose dorsal acentuada, tão simples e modesta quanto simpática.

Curiosamente, a sua única e evidente vaidade concentrava-se nas mãos, cujo arranjo nunca descurava, apesar de ser ela que fazia todo o trabalho doméstico.

Não havia filhos, mas Celina tinha um cão, pequeno como ela, que abusava dos agudos ao ladrar.

Quando era verão e as janelas estavam abertas, na hora do senhor Sousa chegar a casa para almoçar, ouviam-se, por aquelas travessas do burgo velho, os desenfreados, repetidos, repenicados e altissonantes beijos do comissário na bochecha rosada da Celina.

Lá em casa éramos todos cúmplices daquele expansivo afecto que nos entrava fresco e brejeiro pelas janelas.

Quem diria? Entreolhavamo-nos e sorríamos, silenciosos, quase embevecidos.

Quando este alvoroço acalmava e a vida retomava a pacatez provinciana, o que voltava a sair pelas janelas abertas da vizinhança eram os aromas das comidas alentejanas, mais os seus indisfarçáveis temperos igualmente doces e quentes

Era hora de também nós irmos almoçar.

E estava tudo bem.

13
Dez20

Uma Paixão Simples, Annie Ernaux

Maria J. Lourinho

annie-ernaux-portrait (1).jpg

Annie Ernaux

Quem já viveu, na idade adulta, uma paixão amorosa lícita ou ilícita, encontrará neste livrinho de setenta páginas, tudo o que enforma esse sentimento humano, de entre todos o mais poderoso e obsessivo.

"fonte da maior felicidade e da mais dolorosa solidão, viver algo assim será talvez o maior privilégio da existência", escreve-se na contracapa.

Lançado em 1991, foi reeditado pela Porto Editora em 2020, nas Edições Livros do Brasil, formato de bolso, por 8,80€.

Annie Ernaux nasceu em França em 1940.

Galardoada com o Prémio de Língua Francesa (2008), o Prémio Marguerite Yourcenar (2017), e o Prémio Formentor das Letras (2019) pelo conjunto da sua obra.

Com Um lugar ao Sol (1984) venceu o Prémio Renaudot. Em 2008, com Os Anos, vence o Prémio Marguerite Duras e é finalista do Man Booker Internacional.

Eu desconhecia Annie Ernaux, mas ao terminar a leitura percebi que a minha "família" tinha mais um membro.

10
Dez20

Pessoas Normais, Sally Rooney

Maria J. Lourinho

Sally (1).jpg

Sally Rooney

 

Encontrar um caminho próprio, ser aceite num grupo, vencer desníveis sociais e entender e aceitar um inapelável amor por mais estranho e impossível que ele pareça, são alguns dos tormentos a encarar e vencer durante a adolescência e o tempo de ser jovem adulto.

É sobre tudo isso o livro “Pessoas Normais” de Sally Rooney.

Passado na República da Irlanda, nacionalidade da autora, terra marcada pela divisão de classes e alguma frieza britânica, agravadas pelo catolicismo, este períoda da vida de Marianne e Connell, são contados com grande à vontade e modernidade narrativas.

Apesar do que cada um é, e da quase impossibilidade de mudar, o amor e a amizade podem permanecer poderosos,  incompreensíveis e duradouros.

Ao contrário do que pode parecer, não é um livro “levezinho”, mas é um livro que nos leva pela mão, desde a primeira página, a viver este período da vida dos jovens Marianne e Connell , tempo maioritariamente difícil, mas que termina com um sinal de esperança.

Recebeu vários prémios e nomeações merecidos, acho eu.

09
Dez20

Medicina

Maria J. Lourinho

Uma vez li uma entrevista a um médico, cujo nome não recordo, que dizia esta extraordinária frase:

" A medicina é uma ciência social com um braço técnico".

Talvez seja por a maioria dos seus colegas não entenderem isto que, cada vez mais, oiço as pessoas dizerem: "eu não vou ao médico".

E o cortejo de males, pessoais e sociais, que esta opção pode trazer!

Pág. 1/2

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
Em destaque no SAPO Blogs
pub